quarta-feira, 13 de agosto de 2014

PODE ESPIAR!

VOU DEIXAR VOCÊ ME OLHAR...

SÓ OLHAR!

Enzo* e eu já nos conhecemos há muitos anos. É um amigão da época da faculdade com quem sempre me dei muito bem, tanto que ele se tornou meu pau amigo durante um bom tempo.
Sempre nos encontramos e saímos e é sempre muito legal, porque além do sexo, temos uma conexão de idéias. Mas o sexo....ah, o sexo, é mega bom. 
Mas na última vez, posso dizer que gozei mais do que todas as outras vezes que metemos, por um simples motivo: estávamos sendo observados! Rs....
Enzo tem um irmão mais novo, o Edson*, que já na época da faculdade, quando eu frequentava a casa deles, eu sabia que era louco pra cair com sua molecagem pra cima de mim. Digo molecagem, porque nessa época, o garoto deveria ter lá seus 15 anos e eu, uns 22. Como eu não gostava muito de mais novos, nunca prestei muita atenção nele, apesar de já naquela época, ele ser um pirralho muito gostosinho. Grandão e um corpo bem tesudinho. Tímido, mas cheio de fogo, pelo que o Enzo me contava. Mas nunca me atraiu a ponto de querer meter com ele. Sem contar a idade...rs.
Enzo vivia me dizendo que o irmãozinho era doido pra me pegar e eu dizia sempre:
- Sai fora! Seu irmão é um pivete! - E ele dava risada. 
Me contava que dizia pro Edson que eu era muito safada e gostosa e isso deixava o moleque doido. Kkkkk....

Conforme o tempo passou, os contatos diminuíram e nunca mais vi o garoto em questão, apesar de sempre falar com Enzo e sairmos as vezes. 
A última vez que me encontrei com Enzo foi num reencontro proposto pela galera da faculdade. Nos encontramos em um barzinho e depois fomos todos para uma balada. Assim que chegou, Enzo grudou em mim e logo já começamos a nos provocar, como sempre. Eu aproveitava a balada lotada para deixá-lo me encoxar na pista de dança e esfregar o pau na minha bunda. E ainda dava uma reboladinha discreta para instigar. 
Essa provocação misturada a todas as doses de bebida que tomamos, estava nos deixando com um fogo difícil de segurar, então decidimos ir embora por volta das 2 horas da manhã. 
Assim que entrei no carro, Enzo enfiou a mão por dentro da minha legging e ficou dedilhando meu grelinho. Eu já estava melada e podia sentir o seu dedo deslizar na minha rachinha careca. 
Nosso sexo sempre foi completamente puto, imoral...rs. Apesar de não saber a respeito da minha personagem escondida, Vennus, Enzo sempre soube que sou uma puta na cama e que adoro uma vadiagem...kkk. 
Com aquele dedo gostoso me tocando de um jeito safado, não pude evitar e tirei seu pau pra fora e comecei a chupar logo que ele saiu com o carro. Ele ia dirigindo e gemendo enquanto eu enfiava sua vara na boca e babava feito uma louca em cima dela. Enfiava com gosto o pau e ia quicando, sentindo a garganta fechar com aquela delícia. Ele ia me apertando da maneira que podia e ia soltando uns gemidos enquanto eu mamava sua rola. 
Quando chegamos no prédio onde ele morava, na garagem, ele saltou do carro ainda com o pau pra fora da calça, já duro , todo babado e eu achei graça em ver o pau balançando gostoso. Subimos para o apartamento dele (depois, é claro, de eu dar mais uma pegadinha naquela delicia que estava saculejando na minha frente) e já fomos direto para o seu quarto. Sabe aquela coisa de chegar já se beijando e ir arrancando a roupa com urgência para meter o mais rápido possível, sem nem se importar com objetos derrubados, portas abertas ou algo do tipo? Foi bem assim que aconteceu.
Ao entrarmos porta a dentro, em menos de 5 minutos, já estávamos pelados na cama dele, com ele enfiando o pau na minha boca, me segurando pelo cabelo. Trepamos a noite toda, em todas as posições. 
Depois de cansados, suados e relaxados, pegamos num sono ferrado que só uma mistura de bebida, gozo e cansaço podem proporcionar. Apaguei, não vi nada durante a noite e só comecei a despertar, mega sonolenta, quando comecei a sentir uma sensação de prazer bem lá longe, que aumentava conforme eu ia acordando. Quando estava finalmente de olhos abertos, pude perceber o sol entrando pela janela do quarto e Enzo mandando ver no meio das minhas pernas, chupando a minha xota com vontade, babando nela toda. Huuuum, eu adoro ser despertada com uma chupada dessas....(Como eu odeio que me acordem, uma mamadinha é a única maneira de me acordar, sem que eu fique irada..hahaha). 

Ele rodeava o meu grelinho e depois ficava contornando os lábios da buceta com a língua, como se estivesse refazendo o desenho dela...Subia e descia e dava uma entradinha dentro dela tentando capturar o meu gozo, que ia melando a sua boca sem parar. Eu já desperta e com um puta tesão, ia me arreganhando mais e mais para poder sentir ele explorar tudo, cada vez mais fundo. 
No meio da história, dei uma levantada no quadril e abri a bunda, fazendo um pedido a ele:
- Chupa meu cuzinho! 
Prontamente atendida, claro, Enzo levantou a minha bunda, me deixando numa posição escancarada e metia a língua com vontade no meu cu. Eu já me contorcia de tesão. Ele enfiou a cara e ficava se esfregando, se sufocando de tanto chupar. Eu delirava e gemia sem pudor. De pernas erguidas, só queria saber de gozar com aquela boca me sugando toda. 
E nesse meio tempo, olhei por entre as pernas e pude ver, na porta que ficava a minha frente e estava entreaberta, uma sombra grande do lado de fora, nos espiando. Não dava pra distinguir ao certo quem era, mas eu sabia que o Enzo e o irmão moravam juntos, depois que perderam o pai. Nessa hora, me veio na cabeça a possibilidade de tê-lo conosco ali na cama. Estava quase implorando mentalmente para ele abrir a porta e entrar pra brincar também, já que agora, o 'pivete' já era maior de idade. Mas não, Edson ficou ali quieto, quase sem respirar, pensando talvez que ainda estivesse oculto dos nossos olhos. 
A situação me proporcionou um tesão descomunal. Saber que aquele menino me desejava e que estava vendo a safadeza que eu e o irmão fazíamos. Rs...e como eu adoro platéia, decidi continuar a exibição. 
Aumentei a altura da voz e passei a gemer feito uma puta, só para provocar o garoto. 
Enzo lambia meu rabo enquanto eu ia piscando e ao abrir o cuzinho, sentia a sua língua tentando entrar a todo custo, elevando meu torpor a mil. Eu queria prender aquela língua no buraquinho e piscar gostoso nela....huuuuum. Adoro isso!
- Enfia o dedo nele, vai...- pedi, entre gemidos, para ele socar o dedo no meu rabo. 
Enzo deu uma risadinha e enquanto ia mamando a minha buceta, começou a entrar com os dedos no meu furinho miúdo. Ia abrindo gostoso e eu fazia questão de piscar o cuzinho para ele sentir a pressão em volta do dedo. 
- Sua puta gostosa! - me xingou enquanto metia os dedos em mim, sem nenhum pudor.
Sim, adoro a sensação de ser a puta do meu parceiro. Adoro vê-lo se divertir enquanto satisfaz sua gana por putaria. E por isso, ia me abrindo, deixando Enzo deflorar o meu cuzinho.

Minha xana já estava melada e pude ver a barba de Enzo toda brilhante, com um rastro do meu gozo. 
- Me beija, vem! - pedi a ele, que baixou minhas pernas, deitou sobre o meu corpo e me beijou com força. Eu, com a língua pra fora da boca, ia lambendo e chupando seus lábios, a sua barba e sua língua para tomar um pouco do meu próprio mel. 
Dei uma olhadinha de relance para a porta do quarto, para ver se o 'irmãozinho' ainda estava nos espiando. O garoto já havia aberto a porta um pouco mais e em meio a imagem, pude perceber que ele estava com o pau na mão, punhetando devagar e silenciosamente. Eu olhava meio de canto de olho, para não deixá-lo perceber que eu sabia que ele estava ali.
Ah, como eu adoro isso. Toda puta gosta de se exibir....eu não sou diferente, rs.
Enzo, alheio ao nosso observador, continuou me beijando e começou a ajeitar o pau na entrada da minha xota. Ele sabe que eu adoro quando esfregam a cabeça da vara no meu grelo e ficou subindo e descendo o pau, me fazendo delirar de tesão, derramando mais mel sobre aquela cabeçona quente. Já estávamos no auge e assim que colocou a camisinha, ele meteu gostoso na minha xana. Metia sem dó, num papai e mamãe bem gostoso enquanto eu abracei seu corpo com as pernas e forçava para que ele entrasse mais. 
A visão que o garoto tinha da porta deveria estar deliciosa. Enzo estocava forte e ia dizendo putaria no meu ouvido. Falava que a minha buceta era muito tesuda, que iria passar o dia todo me comendo e que eu era muito safada. Adoro esse sexo falado, sem pudor, que contribui para o êxtase ser maior. 
Eu já estava louca de tesão e com a buceta ensopada de gozo. Depois de um tempo metendo em mim, Enzo deitou de peito pra cima na cama e eu já estava pronta para sentar no seu colinho, quando ele pediu para que eu sentasse na sua boca. 
Como boa garota que sou, decidi dar um bom ângulo de visão ao Edson, que ainda estava na atrás da porta, pagando de punheteiro (Oh garoto burro...até hoje me pergunto porque não entrou pra participar da festinha conosco..rs). 
Sentei na boca de Enzo, mas de frente para o seu pau e para a porta, com o rabo encaixado na sua cara e com a xota toda aberta e as pernas arreganhadas, me exibindo para o outro. Rebolei feito uma vadia e sentia minha bunda pressionada na cara dele, que lambia tudo com vontade e me abria cada vez mais com as mãos, parecendo querer entrar dentro de mim. Ás vezes, agarrava minhas coxas e pressionava meu corpo contra o seu rosto, me deixando maluca com aquilo.  Sufoquei o Enzo com meu rabão e sabia que ele estava gostando tanto quanto o irmão espião. Ele, da maneira que podia, ia passando as mãos pelo meu corpo, dando uns apertos gostosos..huuuum. E eu podia ouvir seus gemidos abafados embaixo da minha bunda. 

Eu sentia um tremor passar pelo meu corpo...Sentia os bicos dos meus peitos muito duros e a xana escorrer gozo na boca do meu parceiro. Depois de muito rebolar, me ajeitei sobre seus quadris e apontei o seu pau na entrada da minha xota e fui sentando devagar até o encaixe total. Queria sentir centímetro por centímetro do seu caralho me invadir. O pau de Enzo não é dos maiores, mas me preenche que é uma beleza. 
Quando ele entrou inteiro, fiquei um pouco parada ali e sentia ele pulsando lá dentro. Ele me olhava nos olhos, alisava minhas coxas e de boca aberta, ofegava de tanto tesão. Delícia ver aquela expressão em seu rosto.
Comecei a subir e descer lentamente pelo cacete dele e ia deslizando gostoso, levantando e empinando bem a bunda em direção a porta. Fazia questão de alimentar a punheta do gatinho tímido. A cada sentada minha, Enzo dava um gemido forte e apertava os bicos dos meus seios com força, para me deixar louca. Fui aumentando a velocidade e em pouco tempo, já subia e descia com vontade no pau dele, com minha bunda fazendo barulho ao se chocar com seu corpo e fazendo a cama se mexer. Deitei sobre o peito dele, que passou a enfiar a rola na minha xota e arreganhou minha bunda, expondo meu cuzinho. 
Eu mentalmente ria daquilo, só imaginando o tesão que Edson estava sentindo ao nos ver metendo daquele jeito. Só de pensar nisso, eu assumia o comando e metia com mais vontade, cavalgando sobre o pau do Enzo de forma lasciva. Meu corpo já estava embriagado de tanto prazer e gozar ali, daquela forma, foi puro complemento, porque toda a situação em si e as sensações que eu estava experimentando já estavam me fazendo gozar demais.
- Deixa eu gozar no seu rabinho ? - pediu ele, enquanto estocava minha xana.
Adoro levar leitada no cuzinho. Só de imaginar ele já pisca. Morro de tesão em sentir a porra jorrando quente lá dentro. Mas esse é um tipo de proposta que não dá pra aceitar assim não é ?
Apesar da vontade de arrancar a camisinha do pau dele e sentar sem dó, tirei o pau da minha buceta e antes que eu mudasse de idéia, apontei para as minhas preguinhas e fui forçando devagar, sentindo abrir gostoso e passar a cabeça por elas. 
- Na hora que for gozar , você tira e goza nas pregas! - falei pra ele e nessa hora pude ouvir um suspiro. Já imaginava de quem era, mas nem virei para olhar para a porta e continuei sentando com o rabo na vara do Enzo. Meu cuzinho engoliu gostoso e até que rápido o pau dele e eu comecei a mexer e a apertar o pau dele. Ele fazia umas caretas típicas de quem está com muito tesão.
- Senta, gostosa, senta! - dizia ele e gemia.

Eu obedeci e sentei gostoso, rebolando bem vadia.
Enzo estava com tanto tesão, que gemeu e me disse:
- Não vou aguentar muito...vou gozar loguinho.
- Então bomba no meu cuzinho um pouco, Enzo, vai!
Mal terminei essa frase e ouvi dois gemidos simultâneos...kkkkkk. Enzo e Edson gemeram juntos, alto. Não sei se Enzo realmente não ouviu o irmão gemer ou se, como eu, ele também já sabia que Edson estava á porta, batendo punheta pra nossa trepada...rs. 
Após gemer gostoso, Enzo me deitou sobre o seu peito, segurou as minhas ancas pra cima e enterrou a pica na minha bunda umas quatro vezes e já gritou que ia gozar.
- Vou gozar, gata! Fica de quatro pra mim!
Atendi seu pedido e meio de lado na cama, olhei com os olhos semi cerrados para a porta e percebi Edson numa punheta veloz, com a cabeça erguida, talvez perdido nos pensamentos libidinosos. 
Enzo, já bem ofegante, depois de dar um tapa no meu rabo, meteu o pau no cuzinho e bombou mais um pouquinho. Senti seu pau entrar bem gostoso e na última, ele meteu até o talo, encostando o saco na minha bunda, mas já tirou o cacete rápido e pude ouvir o barulho do látex quando ele tirou a camisinha. Logo em seguida, ele abriu o meu cu com os dedos e soltando um urro, foi derramando porra na porta no meu cuzinho, que com as preguinhas sensíveis do entra e sai, me fazia sentir o leite muito quente e eu piscava o rabo instintivamente. Ele gozou até a última gota e ainda esfregou a cabeça do pau na própria porra enquanto descia e subia o cacete no meu rego, forçando um pouquinho a entrada quando passava pelo meu cu. 
- Cuzinho gostoso! Eu ainda quero gozar aí dentro! - disse apertando a minha bunda e em seguida, já caiu sobre o meu corpo de bruços, me abraçando por trás e beijando a minha nuca. 
Olhei mais uma vez para a porta e já não havia mais ninguém lá. Rs...
- Deixamos a porta aberta... - apontei eu.
- É mesmo. Mas sem problemas. O Edson deve estar dormindo! Aquele lá dorme e desmaia! - falou.
Dormindo?? Uhum, sei!! 
Rs...

* Foram usados nomes fictícios




MAIS FOTOS EM:



CONTATO: vennusmorena@gmail.com

Beijos e comentem os contos e as fotos nos sites!! 

PELUDA VERSUS LISINHA


RESULTADO DA ENQUETE

Há uns 25 dias atrás, depois dos muuuitos comentários sobre as fotos da minha xaninha peluda, lancei uma enquete aqui no site perguntando para vocês como vocês gostam.
E hoje estou passando pra deixar o resultado. Foram computados 100 votos e o resultado ficou assim:

- 48% preferem lisinha, sem nenhum pelinho
- 25% preferem peludinha, mas aparada
- 18% preferem só um bigodinho
- 9  % preferem uma muito peluda, tipo mata

Como muitos sabem, eu gosto da minha bem lisinha, até porque a sensibilidade no sexo oral e no dia a dia é bem melhor, mas depois de perceber que uma peludinha também é capaz de despertar paixões, vou passar a alternar os 'looks'...kkkkk.
Homem gosta mesmo é de buceta, independente de com esteja, né ?? Mas claro que todo mundo tem suas preferências!
Beijinhos e muito obrigada a todos que participaram da enquente.
Fiquem de olho, votem e deêm sua opinião.

Para comemorar a vitória das lisinhas, rs!!

CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR

segunda-feira, 14 de julho de 2014

ESCLARECIMENTO


A HORA DA VERDADE...RS!


Bem, hoje não é nenhum conto.Trata-se de um esclarecimento.
Muita gente percebeu que eu me afastei um pouco do meio liberal e não estou mais na mesma pegada de antes. Por questões pessoais sai um pouco de cena apesar de ter mantido o blog e perfis em redes sociais.
Estava meio chateada com algumas coisas que vinham acontecendo e com a inconveniência de algumas pessoas, então fiz isso para me preservar um pouco, para deixar de receber whatsapp de madrugada, a qualquer hora do dia e todo tipo de incomodo e também para aproveitar melhor as oportunidades que a 'vida de verdade' estava me mandando..rs. A gente não conhece pessoas e trepa só com gente do Sexlog ou do D4 swing, não concordam? Todos temos uma vida pessoal, social, temos problemas, ficamos doentes, ficamos de saco cheio, arrumamos namorado, brigamos e também nem sempre estamos a fim ou dispostos a sair. 
GOSTO DE SEXO, ADORO SAFADEZA, ADORO PUTARIA, sempre faço independente de internet ou não....mas não me traio. Só faço quando tenho vontade, disponibilidade e afinidade com a outra pessoa. 
Não topo qualquer parada como muita gente pensa. Como diz o meu perfil do Sexlog, não me interessa se tu é rico, bonito, fodão, tem o pau enorme ou quer pagar pra sair comigo, pois se eu não tiver o mínimo de afinidade com você, não vai rolar...não adianta! 
E afinidade se constrói, apesar de muita gente não entender isso. Mas aos que não entendem, nem faço muita questão de explicar e me justificar...
A justificativa e o esclarecimento é para os amigos que já saíram comigo, para os que possivelmente possam vir a sair, que tem esse interesse. Tenho minhas preferências, afinidades com essa ou aquela pessoa e com outras não...e isso tem que ser respeitado, não é ??
Então para esclarecer de vez:
Não estou fora do meio liberal, mas como sempre, sou seletiva e só o teu pau não vai me conquistar!! Posso topar um convite quando rolar afinidade, confiança, quando for algo interessante, com uma pessoa ou casal bacana. E se rolar putaria, melhor ainda..hahaha!
E outra coisa: não passo mais meu celular ou whatsapp para contato. Só quando eu achar que devo. Tenho um horário alternativo de trabalho, durmo durante o dia, então, não dá pra passar para todo mundo, senão, não me deixar descansar e nem sempre posso deixar o celular desligado! 
E para quem já tem o meu celular, só peço ENCARECIDAMENTE que não me mandem imagens pornográficas sem antes eu dar ok, por favor! Adoro receber essas imagens, mas tive problemas recentes com isso. 
Enfim, estou muito a fim de voltar a conhecer algumas pessoas, de rever os antigos amigos, de ir à algumas festinhas, mas como disse antes, vai ser do meu jeito, rs...

Beijinhos a todos e desculpem o desabafo!! Rs... E leiam o conto abaixo que está uma gostosura...rs!!



MAIS FOTOS EM:



CONTATO: vennusmorena@gmail.com


sábado, 12 de julho de 2014

QUEM NÃO DÁ ASSISTÊNCIA...

LEMBRANÇAS DE UMA FODA


DE VERÃO...

Entrei na sala de repente, e vi sem querer Flávio* ajeitando o pau dentro da sunga. Enchia a mão nele, arrumando. O mais engraçado é que quando percebeu minha presença, ele não parou. Continuou e não sei se de propósito, pôs a cabeça da vara pra fora para eu ver, querendo ser despretensioso. Eu, por minha vez, também não sai dali. Fiquei parada olhando aquela cena por alguns segundo, até que me toquei e dei uma risadinha de canto de boca e pedi desculpas, voltando para o quarto. Esse foi um dos episódios daquele meu passeio no último verão.
Flávio* e Jana* sua namorada na época, convidaram a mim e a minha melhor amiga Cléo*, para passarmos um final de semana com eles no litoral de Sampa, onde ele tem uma casa de veraneio. Cléo e Jana são amigas há muitos anos, mas Jana e eu nunca fomos grandes amigas. Posso dizer que somos colegas e sempre tivemos uma convivência pacífica devido ao fato de termos amigos em comum e de frequentarmos os mesmos lugares. Não é o tipo de pessoa que me seduz para ter grande amizade. Apesar de até ser divertida, é uma mulher prepotente, com o rei na barriga, mesmo sem ter motivos para isso. Daquele tipo que come ovo e arrota caviar...sabem? Apesar de apaixonada, tratava seu homem com rispidez na frente de qualquer pessoa, sem nenhuma cerimônia e por conta disso, sempre levou chifres escandalosos que ele fazia questão de não esconder tanto. Jana tem cabelos compridos, claros e é uma mulher bem, mas bem magra. Mignon de tudo. Sem peito, sem bunda, sem coxa e não muito vaidosa, daquelas que não curtem cremes, maquiagem e afins. E pelo que soube depois, na cama ela encarna a própria Madre Tereza de Calcutá só para mostrar que não é desfrutável..hahahaah. Até hoje não entendo como conseguiu segurar o rapaz naquele namoro por um ano inteiro..kkk!

E juro que não é recalque! A mulher é que é um entojo mesmo!
Flávio por sua vez é um homem muito extrovertido, falante, agradável e simples. Não tem frescuras. Sem contar que tem um sex appeal fora do comum. Não é necessariamente bonito, mas é muito gostoso. Tem por volta dos 40 anos, alto, branco, peito peludo na medida certa, coxas grossas e bem desenhadas, mãos grandes (adoro!) e uma bundinha grandinha, carnuda, rs. Isso sem falar da sua cara de safado, sem vergonha. Dá pra perceber que ele é do tipo caçador e que adora uma safadeza. Eu já havia ficado sabendo de várias puladas de cerca dele e que a namorada apesar de saber de algumas dessas traições, por paixão, tolerava, mas dizia pra todo mundo que isso era invenção de todos e que ele era apaixonado por ela completamente e totalmente fiel. A famosa corna São Tomé: só acredita vendo!
Em vários momentos naqueles dias com eles na praia, percebi que ele olhava feito um canibal para todas as mulheres ao redor, inclusive para mim e para Cléo. E depois do incidente em que o flagrei na sala, vi que ele sempre dava um jeito de se exibir pra mim, passando a mão na rola por cima da sunga ou da bermuda. Homens fazem isso o tempo todo, mas por parte dele, eu pude perceber a malícia e a má intenção. 
Numa das vezes, até me mostrou o saco. Foi nesse dia que eu enlouqueci. Chegamos da praia e minhas duas amigas estavam tirando uma soneca e eu ia fazer o mesmo. Tomei uma ducha e antes de ir ao quarto, fui até a cozinha fazer um lanche, já que não quis almoçar, quando o vi sentado na sala, que é interligada com a cozinha, bem de frente pra mim, vendo tevê, com uma bermuda dessas que parecem de futebol, folgada, mas não tão comprida, com uma das pernas por cima do braço do sofá. Disfarcei o olhar um pouco. O saco não estava necessariamente todo a mostra, mas podia ver uma parte dele. Só que ao me sentar á mesa e olhar de novo, ele tinha levantado um pouco mais a bermuda e aí sim, pude ver aquele sacão grande, meio avermelhado praticamente inteiro pendurado pra fora da bermuda. Minha boca salivou no mesmo minuto. 
Ah, como eu adoro chupar um saco gostoso. Huuuum...
Quando vi aquela cena, minha xana pulou de tesão. Não consegui mais desviar o olhar e fixava descaradamente o saco do Flávio. Minha vontade era ajoelhar entre suas pernas e enfiar o saco inteiro dele na boca. Que tesão que me deu. 
Mas para  provocar, ele continuou se fazendo de bobo e começou a puxar papo sobre o programa que via na tevê. Eu mal conseguia morder o sanduíche ou responder o que ele falava, já que estava hipnotizada pelas suas bolas. Numa dessas falta de respostas, ele safado, olhou pra baixo, alisou o saco, deu uma apertada e guardou dentro da bermuda.
Quase protestei..kkkkk.
- Segunda vez que você me flagra numa situação embaraçosa - disse após se recompor.
Me levantei, cheguei mais perto dele e disse ao seu ouvido:
- Flagrei ou você que está fazendo de tudo pra me mostrar?
E fui saindo para o quarto.
Depois disso, eu pirei. Nem consegui dormir a tarde e ficava me imaginando chupando o Flávio todo, dos pés a cabeça, dando atenção exclusiva para o cacete e o saco e depois rebolando no seu colo. Tive até que fazer uma siririca no banheiro para dar uma acalmada nos ânimos nesse dia.
Não sou dessas que dá em cima de homem de amiga, ou que desrespeita a casa e a família dos outros, mas como Jana* não era e nunca foi minha amiga, não me sentia nenhum pouco culpada em querer pegar o bofe dela. Ah, e eu ia pegar!! Adoro homem de saco grande e como aquele estava facinho, eu não ia deixar passar. (Aff, que frase cafajeste!! Sorry! Rs..)
No dia seguinte, fomos todos para a praia pela manhã mas Flávio e Jana, voltaram antes para preparar o almoço. Como ela detesta que a gente interfira, disse que Cléo e eu poderíamos ficar e ir depois quando o almoço estivesse pronto. Demoramos um pouco para voltar e quando chegamos, os dois estavam deitados nos cadeirões em volta da piscina, tomando sol. Eu entrei na ducha para tirar a areia do corpo e ao ir conversando com todos, pude notar os olhares safados dele. 
- Gente, desculpa, eu estava morrendo de fome e já comi, mas tá tudo quentinho lá no fogão..só vocês almoçarem - disse Jana*, deitada.
Cléo disse que não ia almoçar ainda, pois não estava com fome e após a ducha, também se deitou ao sol para se bronzear.
- Pois eu vou comer já! - disse eu, enquanto ia me enxugando e rumando para a cozinha da edícula, que ficava aos fundos da casa, de frente para a piscina.
- Eu também vou! Não comi ainda...estava esperando vocês -  levantou-se o Flávio. 
Me arrepiei ao vê-lo vindo para a cozinha, só de sunga. 
Entrei no cômodo ao lado, onde ficava o fogão e fui abrindo as panelas e colocando comida no prato. Ele entrou, pegou um prato também e passou por trás de mim, roçando a rola dentro da sunga na minha bunda e parou do lado do fogão, ainda se fazendo de desentendido, preparando seu prato. Ao terminar, saí e me sentei numa das banquetas do balcão, de frente para as meninas. Logo, Flávio sentou-se ao meu lado e pude vê-lo 'amaciar' o pau por cima da sunga, bem pertinho de mim. De onde Jana* e Cléo* estavam, elas só podiam nos ver do tórax para cima, já que o balcão era fechado embaixo. Por isso, ele se aproveitou e ficou pegando no pau com uma mão e com a outra, colocava quase nada de comida na boca. 

Eu estava ali, só de biquíni, sentada ao seu lado fingindo que comia, mas completamente distraída do meu almoço. Trocamos algumas palavras, batendo um papo muito furado enquanto ele dava olhares altamente imorais para os meus peitos e botava a mão no pau por cima da sunga. Pude ver o volume se formando, marcando o tecido descaradamente. 
E mais uma vez, no meio do papo, ele pós a mão na minha coxa, se demorando um pouco mais. Aí , deu choque! Rs...
Nessa hora, me lembrei daquele sacão e com toda aquela provocação de Flávio, não me contive e coloquei a mão em sua rola e a amaciei também. O volume não estava completamente duro, mas já estava bem gostoso. Parecia ser dos grandes, como seu saco e senti minha buceta derramar um pouco do seu mel na tanga do meu biquíni. 
Continuei apertando por cima da sua sunga enquanto estava de frente, olhando para Jana* e Cléo* a beira da piscina e elas pareciam dormir. Eu ficava eletrizada com aquela situação e tinha vontade de trepar com ele ali mesmo, de tanto tesão que estava sentindo. Estava em êxtase. 
A gente alternava a cara de paisagem com cara de tesão, com medo de sermos flagrados pelas meninas, que estavam praticamente a nossa frente. Estavam quietas, caladas, mas não dava para afirmar que estivessem dormindo sob o sol.
Do nada, ele se levantou, me deixando assustada, com medo de termos sidos flagrados ou de eu ter avançado um sinal errado, mas foi até uma cômoda, pegou seu celular e sentou-se de novo ao meu lado, pegando minha mão e a conduzindo para seu colo novamente. Logo me mostrou a tela do celular e eu pude ver uma foto da minha bunda, de biquíni, que ele tirou na praia. Dei um sorriso fechado.
Se eu achava que ele estava me espreitando o tempo todo, agora ele havia me dado certeza, rsrs...
- Gostosa... - disse baixo, entredentes. 
Aquilo fez meu fogo subir ainda mais e eu decidi colocar a mão dentro da sua sunga e pude sentir seu pau pulsando...Era grosso e grande..gostoso de pegar. Estava quente. Fiquei alisando por um tempo, olhando pra piscina mas depois puxei-o pra fora, expondo aquele pau farto, com a cabeçona meio redonda e vermelha. Era apetitoso demais. Estava muito grande, demonstrando estar com o tesão a flor da pele.

Ele, nesse tempo, alisava minhas coxas, enquanto eu começava uma punheta lenta, subindo a mão e descendo devagar. Passava a palma da mão na cabeça do pau, para sentir o meladinho e depois ia descendo, segurando firme aquela pica gostosa, sem vontade de largar. Fiquei nessa punheta, começando mais devagar e depois aumentando um pouco o ritmo, mas sem muitas estripulias para não denunciar o movimento brusco e ritmado. Flávio ia soltando uns suspiros baixinhos. 
- Você é demais, Nat! - falava, quase sussurrando - Apóia os braços no balcão e empina a bundinha pra mim, vai... - me pediu. Fiz o movimento, levantando um pouco a bunda da banqueta e ele entrou com o dedo pelo lado do meu biquíni, tateando a minha xota, que já estava mega úmida, lavando de gozo o dedo dele. Fez uns movimentos de vai e vem, me deixando mega tesuda e soltando um gemido mais empolgado, mas que mesmo assim, não conseguiu chamar atenção das meninas. E se elas estivessem nos vendo, mesmo que não estivessem dormindo, estávamos parecendo o William Bonner e a Patrícia Poeta na bancada do Jornal Nacional: cara linda mas com  as partes de baixo do corpo escondidas...kkkk. 
- Essa comida tá gostosa! Tá bem molhadinha, né? - ele soltou de repente  e me fez rir. Eita homem safado! 
- Está mesmo! - respondi.
Depois dessa farrinha rápida que ele fez na minha xana, eu voltei a pegar a sua vara e punhetar gostoso. Ele, volta e meia, colocava uma garfada de comida na boca, que aquela altura já deveria estar fria. 
E eu, sentia o melado da sua porra descendo pelo pau e lambuzando a minha mão. Aquilo era torturante...
- Coloca o saco pra fora também! - eu disse baixinho, quase em tom de súplica.

Logo ele me atendeu, descendo a sunga só um pouquinho e colocou o sacão por cima do tecido. Ele ficou pendurando, espalhadão, repousando em cima da sunga. Ao ver aquilo, eu só imaginava aquele saco batendo na minha bunda, na minha cara...aff!! O tateei e era macio, tão enorme que mal coube na minha mão. Fiquei um tempo ali, acariciando suas bolas e ele continuava a punheta devagar. Mas claro que uma tarada por saco como eu não ia ficar ali só olhando para aquela fartura toda e não experimentar. 
Dei uma olhada na direção da piscina e Jana e Cléo, continuavam lá, lagarteando sob o sol, então não pensei duas vezes, desci da banqueta, dei uma disfarçada, me encaixei em frente a banqueta do Flávio e cai de bola naquele saco. Como atrás de nós havia a porta de um quarto de descanso, já havia pensando numa rota de fuga caso elas viessem e não me vissem no balcão e fui chupando sem medo de ser feliz. Me afoguei no saco dele, chupando e esfregando na cara, feito uma doida. Olhava pro Flávio, que ora olhava pra mim e dava um sorriso discreto , ora olhava pra frente, vigiando o terreno..rs!
Depois de um bom tempo me divertindo com aquele sacão, passei para o pau e comecei lambendo feito uma cadelinha, passando a língua por ele todo e depois abocanhando a cabeça e enfiando tudo na boca. A sensação de ter uma rola gostosa na boca, batendo lá no fundo da garganta, quase engasgando , me dá um tesão incrível. 
Minha buceta pulava insanamente e derramava seu gozo. Pus um dedo nela enquanto chupava aquele cacetão e a senti quente, melada, vibrando com a aventura. Tentava sincronizar o vai e vém do dedo na xota com a boca subindo e descendo no cacete, sem muito sucesso...Kkk...Ás vezes, os movimentos ficavam meio descoordenados!
Estava me fartando. Pegava aquele pau e batia com ele na minha boca, na cara e voltava a enfiar na boca, bem fundo, fazendo Flávio tensionar as pernas com muita força, evitando a todo modo não soltar um gemido condizente com aquele prazer que sentia.
Ele depois pegou o pau e repetia o meu movimento, batendo com ele na minha cara, com um jeito bem puto enquanto eu voltei a dedar a buceta que estava pedindo rola.
Flávio batia o pau com vontade na minha cara e certa hora abaixou e me chamou de safada, dizendo que iria gozar. Ao ouvi-lo dizer isso, já abri a boca, colocando a língua pra fora. Dei mais umas chupadas no seu saco e ele ia punhetando a vara com força e vontade, com o rosto pra cima, olhando a piscina quase o tempo todo e eu, com o biquini de lado, metendo o dedo na xota, toda melada de tesão...gozei, escondida, louca pra foder com ele, ali mesmo, no chão da edícula, num devaneio insano.

Flávio aumentou o movimento da punheta e vi que apertava o pau com vontade, já a caminho do clímax, quando de repente, ele enfiou o pau na minha boca e começou a jorrar sua porra lá no fundo, com jatos grossos e fartos que eu podia sentir inundando a minha garganta. Fiquei lá de boca aberta enquanto ele me dava seu leitinho quente e permanecia praticamente mudo, só soltando um suspiro ou outro, baixinho.
Eu agradecia estar de boca cheia com sua porra e seu pauzão, para evitar que denunciasse o tesão que eu estava sentindo naquele momento.
Gozamos tão loucamente e eu percebi que ele relaxou gostoso depois daquela punheta com boquete. Eu ainda fiquei um tempo ali a sua frente, encostada na parede do balcão, com a xota pra fora da tanga e metendo o dedo nela pra sorver até o último caldinho de xana e quando isso aconteceu, tirei o dedo dela, o levantei em direção ao Flávio e após uma olhadela  pra piscina, ele abaixou o rosto sob os braços no balcão e sugou o meu dedo do meio todo melado de mel.
- Quero mais! - sussurrou ele muito baixo.
E antes de ir saindo escondida, engatinhando de biquíni pelo chão, ao pé do balcão, indo em direção ao quarto de descanso, sussurrei também, de volta pra ele: 
- Vai ter que ficar pra próxima! 
E claro que teve uma próxima, rs. Mas essa eu conto outra hora!! 

* Foram usados nomes fictícios!


CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR



Quero agradecer a todos pelas mais de SETENTA MIL VISITAS aqui no meu blog, mesmo eu tendo ficado tanto tempo afastada e sem publicar novos contos, todos sempre são fiéis a esse espacinho que eu gosto tanto!! Muito obrigada mesmo!! 
Já fiz um videozinho bem gostoso para comemorar a ocasião e logo logo devo postar aqui!! Fiquem de olho! Mais alguma sugestão para uma boa comemoração?? Rs...


MAIS FOTOS EM:



CONTATO: vennusmorena@gmail.com

Beijos e comentem os contos e as fotos nos sites!! 

Adoro os comentários safadinhos de vocês!

sexta-feira, 25 de abril de 2014

COMIDA DE RABO

O MAIS DIFÍCIL


É SEMPRE MAIS GOSTOSO!!

Basta dar uma passeadinha no meu blog ou nas páginas que eu tenho pela internet para perceber que eu adoro uma boa comida de rabo, né?? Tá na cara, pra todo mundo ver. Na cara, não né ?? Rsrs...No conto de hoje eu vou contar como eu comecei a gozar e curtir essa delícia, que é preferência nacional!
Apesar de ser bem namoradeira desde cedo, comecei a minha vida sexual tarde, por volta dos quase 19 anos, porque era afligida pelo 'Mal do Príncipe Encantado', achando que a primeira vez tinha que ser com um cara que eu amasse muito e vice-versa. Aconteceu dessa forma, mas digamos que na parte objetiva da coisa, não rolou as mil maravilhas e esse 'Príncipe Encantado' acabou perdendo o encanto e eu muito putinha e puta da vida, comecei a pegar um dos seus amigos, como uma forma de vingança...rs. 
E eis que nessa vingança, conheci o meu professor para assuntos de putaria.
Tenho quase certeza que dessa vingança, nasceu a putinha que hoje habita em mim, kkkk!!
Thiago* tinha na época os seus 35 anos e eu na casa dos 20, quando mesmo ainda apaixonada pelo sapo, opa, ex-príncipe, a vingança virou namoro. Digamos que esse namoro era um fiasco na parte sentimental, porque eu  fazia o coitado de gato e sapato, mas na parte sexual, aprendi a amar o sexo como nunca amei ninguém....hahahahaah.
Como não haviam sentimentos envolvidos, Thiago me fez ter todas as sensações físicas que o sexo pode proporcionar. Cada arrepio, cada beijo, cada provocação era pura e simplesmente instintiva, coisa de bicho. Eu ficava com tesão no estado mais puro. 

E ele, como um homem mais velho e professor habilidoso, ia me guiando no mundo da devassidão, me falando como gostava, me ajudando a explorar os pontos desconhecidos do meu corpo e me dizendo coisas do tipo 'Hoje eu vou te ensinar uma brincadeira bem gostosa..' , sempre me deixando a flor da pele.
Bem, no começo do namoro, ainda envolvida pelo ex, não deixava de forma nenhuma Thiago comer a minha buceta. Ficávamos no maior rala e rola, amasso pra lá, amasso pra cá, mão naquilo, aquilo na mão, mas buceta que é bom, pra ele, nada!! Achava que se transasse com ele, estaria me traindo e traindo o sentimento que sentia pelo ex. 
Mas, em um domingão gostoso, Thiago chegou a minha casa por volta do meio-dia e ficamos vendo TV de bobeira no sofá. Meus pais haviam saído e com essa situação propícia, a pegação começou. 
Os beijos de inocentes viraram beijos indecentes, cheios de segundas intenções...
Eu estava com uma sainha curta, de linha, com uma amarração na frente, uma calcinha enfiada na bunda e uma regatinha fina, sem sutiã, com os bicos duros apontando, o que deixava meu namorado louco de tesão. Ele começou a puxar os bicos por cima da blusa, me deixando ensandecida. Pegava neles com força e botava a boca, puxando o bico com os lábios e as vezes mordiscava. Ficou nessa um bom tempo, até que não resistiu  e baixou a regata, colocando meus peitos pra fora e passou a lamber os bicos de forma escandalosa.
- Peitão gostoso! - murmurava pra mim...
Ele sentado numa poltrona e eu montada no colo dele, roçando a xota ainda de calcinha no seu jeans. 
Thiago era um homem grandão, com aproximadamente 1,90m, corpulento, mas não gordo...Bem gostoso. Cara de homem. Homem safado. Barba rala, cara de mau, enfim, um homem que me deixava de buceta ensopada. Foi com ele que eu aprendi a fazer sexo sem amor! Pelo menos, no começo, rs...depois a coisa mudou!

Ainda no sofá, ele ficou um tempão mamando os meus peitos, lambendo e babando neles, fazendo um barulho de sucção que me deixa louca, enquanto eu gemia baixo, no seu ouvido e me esfregava no volume que já era perceptível na sua calça. Me esfregava muito, feito uma puta, provocando o tesão daquele homem...
Adorava vê-lo perder a compostura e a cabeça com a namoradinha que ele achava que tinha, na verdade, medo de se envolver...rs. 
Thiago me apertava de todas as maneiras possíveis, pegando nas minhas coxas e alisando-as, depois subia para baixo da minha saia, alisando o contorno da minha bunda e apalpava com força, me chamando de gostosa e beijando meu pescoço, ficando com o queixo acomodado nos peitões a sua frente. 
Eu já estava profundamente melada, o que ele percebeu quando colocou o dedo na minha xota por cima da calcinha e sentiu a umidade atravessando o tecido. 
- Melada...que delícia!! - disse.
Afastou a calcinha e meteu o dedo safado no meu grelinho, fazendo eu me desmanchar em gozo. Quando ele tocou minha xana, eu murchei e empurrei o grelo duro em direção ao seu dedo. Ele pressionou com gosto e ficou esfregando o dedo na minha xota, sem penetrá-la. Eu estava adorando aquilo, mas estava com a buceta travada, ainda sem querer ceder as vontades dele, que ainda tentou meter na xotinha proibida, mas eu disse um sonoro 'Não' no meio daquilo tudo e ele, apesar de reclamar um pouquinho, fez o namorado compreensivo, e parou. 
Sem permissão para entrar, ele continuou com a brincadeira na portinha da xota e era possível sentir seu dedo deslizar feito faca na manteiga, de tão molhada que me deixou. Sentia meu corpo tremer, e esfregava o pescoço na sua barba, o que me deixava mais alucinada ainda...Adoro sentir uma barba por fazer, roçando o meu corpo. 

E de repente, do nada, ele tirou o dedo e trouxe a minha frente. Estava todo melecado, lustroso, gozado do fluido transparente...
- Olha só como você está!, me disse ao mesmo tempo que passeava com o dedo próximo a minha boca. 
Pura provocação. 
Não resisti e claro, quis provar o meu gosto. Não sei se foi a primeira vez que fiz isso, mas com certeza, foi das primeiras. Abocanhei o seu dedo médio com vontade, sentindo bater até o final da minha garganta e sentia o gosto agridoce do meu prazer.
Ah, que delícia. Um tesão sem igual...Ele fazia vai e vém como o dedo na minha boca e eu chupava feito uma cadelinha. 
Nos beijamos e ele enfiava a língua ferozmente e parecia querer lamber o interior da minha boca para sentir também o gosto daquele gozo. Durante o beijo, comigo ainda montada em seu colo, ele desceu novamente as mãos na minha bunda e afastou a parte de trás da calcinha miúda e começou a passar a ponta do dedo no meu cu.
Ain! Soltei um gemido alto e senti o corpo formigar. Que sensação deliciosa. 
O meu cuzinho piscava de tanto tesão e eu relaxei, sentando mais a vontade em seu colo e me abrindo mais para aquele toque. 
Ele, entendendo a deixa, fazia pressão com o dedo e envolveu minha bunda com os dois braços, pousando os dedos da mão direita e esquerda no meu rabo. Ele puxava devagar as carnes da minha bunda e eu sentia as preguinhas se abrindo bem gostoso. Ele refazia o movimento e me deixava anestesiada de torpor com aquela sensação. Ninguém nunca havia tocado meu anelzinho daquele jeito. Ou melhor...ninguém nunca o havia tocado...kkkkk!
E como percebeu que eu estava adorando, o safado ousou. Trouxe um dos dedos a boca, o lambeu, voltou ao meu buraquinho e começou a enfiar o dedo rabo a dentro. Um rabinho virgem, apertadinho (isso ele ainda é, até hoje!) e ele foi colocando aos poucos, enquanto ia me estimulando ora com mordida nos bicos, ora com a barba roçando. Um festival de sensações. Isso sem contar que ao me deitar um pouco mais a frente sobre o seu peito para expor mais o cuzinho aos seus toques, eu sentia a buceta abertinha com o meu grelo roçando no tecido da sua calça, fazendo um contato delicioso.

Enfim, estava sendo atacada de todas as maneiras, então, ele aproveitou e bolinou o meu rabo até quando e como bem quis. Enfiou todo o dedo e ficava entrando e saindo com jeitinho, até que, com mais jeito ainda, enfiou dois de uma só vez, me deixando um pouco atenta, mas adorando sentir o cuzinho se abrindo. 
E claro, que ele estava, na verdade, era me preparando para o que ele iria fazer a seguir...rs.
Depois de tirar os dedos do meu cu, ele abriu o zíper de sua calça e soltou a vara que estava dura feito pedra, com a cabeça babadinha...huuuum. 
Deveria ter uns 18,19 centímetros, talvez e de grossura média...uma delícia. 
Roçou o pau no meu rego e passou o dedo novamente na minha buceta, que continuava melada na mesma proporção de antes. Thiago, segurava a bunda e subia e descia o pau, fazendo minha pela se tocar com a pele macia da sua caceta e me deixava louca. 
Eu ainda estava com cuzinho doido por mais uns toques, super estimulado e louca de tesão.
Com tudo isso, não foi preciso muito para eu me levantar um pouco, apoiando os pés no chão e apontar a cabeça do seu pau no meu furinho. Ele, como precaução ainda cuspiu na mão por algumas vezes e passou a saliva no meu reguinho e na rola. 
Eu, como novata, nem pensei nisso. Só sentia a vontade e o tesão de sentar nele.
Encaixei novamente e fui forçando o cuzinho devagar no seu pau. Senti a cabecinha abrindo minhas preguinhas com certa dificuldade, mas sem sentir dor alguma. Com isso, fui criando coragem e rebolava devagar enquanto ia descendo a bunda no pau do Thi. Nossa, que sensação deliciosa. Era uma coisa tesuda demais ir me sentindo preenchida por aquele homem gostoso. Me sentia uma devassa...uma putinha. E via na cara dele que ele estava gostando. Estava gostando de ver sua namoradinha virar uma putinha entre quatro paredes. 
A cada centímetro, tanto eu quanto ele, soltávamos um gemido de prazer. 
Ele me deixou no comando e não se moveu enquanto eu ia metendo seu caralho no meu rabinho com vontade. Não demorou muito, eu já estava sentada no seu colo, com o pau metido até o talo no cuzinho e sentindo um tesão imenso enquanto ele mordia os meus peitos. Apertava o pau dele com o cu e ele ficava gemendo, falando 'Que cuzinho apertadinho'...

Aquilo me deixava com ainda mais vontade de ser a putinha dele e eu comecei a rebolar gostosinho, no meu ritmo, para não me machucar...mas nada. O tesão era tanto, que eu até sentia o meu canal se dilatar, mas não sentia dor alguma e fui subindo e descendo de um jeito cadenciado, gostoso, tomando conta da situação, enquanto beijava a boca dele. 
Quase não trocamos palavras. Os sons emitidos eram praticamente só gemidos. 
Eu montada nele, metendo e tirando o pau até a metade, me sentindo a maior vadia da face da terra. Ah, como eu estava adorando ver a cara de satisfação do meu macho. 
Tudo isso foi suficiente para que em poucos minutos, nós dois gozássemos feito dois loucos, de tanto tesão, tremendo. 
Ele nem pestanejou e gozou dentro, deixando todo seu leitinho em mim, sem nem me perguntar se podia. Gozou farto e quente no meu rabo e eu fui aos céus e voltei, gozando muito com a rola dele no meu cuzinho. 
Ficamos ali parados, eu ainda deitada por cima dele, fui sentindo a vara amolecer dentro de mim até sair completamente e aí sim, senti o rabinho dolorido, mas estava tão relaxada por causa daquela foda, que nem me importei. 
- Quando eu passei o dedo no seu cu e você deu aquela gemida gostosa, eu sabia que você ia adorar dar seu cuzinho pra mim....rs! - me disse, todo ostentoso, com uma cara de riso.
Sim, eu amei. E tanto amei, que por um bom tempo, foi só o que ele teve. 
Ainda demorou um bom tempo para eu liberar a buceta pra ele que, mesmo assim, ficou feliz e contente, me comendo o rabo todo final de semana.
Vá entender a cabeça das mulheres, rs.

*Foram usados nomes fictícios.

CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR


MAIS FOTOS EM:



CONTATO: vennusmorena@gmail.com

Beijos e comentem!! 

sábado, 19 de abril de 2014

POMPOARISMO...

POMPOARISMO


VOCÊ SABE O QUE É??

Fiz recentemente um curso de pompoarismo para saber mais sobre essa técnica que aumenta o prazer sexual e como achei bem legal, resolvi escrever uma matéria para vocês conhecerem e saber melhor do que eu estou falando.
E você, já conheceu ou transou com alguma mulher que pompoa??
Me conta!! 
Beijinhos e espero que curtam!!

Mais fotos em:

quarta-feira, 9 de abril de 2014

LEVADA LOUCA...


CHICLETEIRO EU, 




CHICLETEIRA ELA...

Se hoje, eu já não tenho muito juízo, quando era mais nova, então, era bem pior, rs... 
E a história de hoje é sobre um desses momentos onde o juízo desce pelo ralo e o tesão toma conta da situação...Eu devia ter os meus 20 e poucos, época da faculdade, recém solteira depois de um namoro mega longo e com fogo no facho, doida pra aprontar!
Combinei com uns amigos de irmos numa micareta onde haveria um show do Chiclete com Banana. Nessa época gostava e ia bastante nesse tipo de balada...
Fomos numa galera bem grande, aproximadamente umas 10 pessoas, sendo eu e mais três amigas mulheres e seis amigos homens. Na verdade, eu só conhecia um deles, que era ficante de uma das meninas e muito meu amigo. O restante deles conheci no dia, mas fizemos amizade rapidamente e já fiquei de olho em um deles que me pareceu bem interessante. Moreno claro, com olhos bem claros, de cavanhaque, cabelo raspadinho, de estatura baixa mas com um corpo super gostosinho. Simpático, falante, super gente boa...E percebi o interesse por parte dele também, porque já colou em mim desde o início, tentando me aliciar..kkkkk.
E para completar a mistura do capeta, enchemos o carro de bebidas pra levar. Cerveja, vodka, whisky, tequila, enfim, tudo que você imaginar de bebida, provavelmente tinha dentro dos carros. 

Ainda paramos no caminho para comprar gelo, energético e outras coisinhas. E nessa de descer do carro e ficar de lenga lenga parados, bebendo, mulherada indo no banheiro, Douglas*, o moreno que falei,  já me tascou um beijão, assim, na lata, na frente dos amigos, sem a menor cerimônia. Naquela hora, gostei da ousadia e do beijo gostoso que ele me deu. 
Mas sabe como é né ?? Estávamos indo para uma micareta e micareta e casalzinho, não combina...kkkkkk!
Quem já foi numa micareta, pelo menos uma vez na vida, sabe do que eu estou falando. Esse carnaval fora de época tem praticamente a mesma pegação e alegria dos dias de fevereiro que a gente tanto gosta.  É uma pegação descarada! 
Beijei muito nesse dia!! 
Mas vou me ater a contar a minha aventura com o Douglas e deixar de lado todos os outros que eu beijei nessa micareta, ok ??? 
Eu estava com uma saia jeans na altura da coxa, mas mesmo assim, não muito curta e com o abadá fornecido pela festa. Personalizado, fiz um decotinho básico, abri as costas e fiz uma amarração atrás pra dar um charme...
O show só ia começar as 16 horas, mas chegamos lá por volta das 11 da manhã e eu já estava altinha por causa da bebida que já fui tomando pelo caminho...estava vendo tudo, mas já sentia os seus efeitos. E o estacionamento estava LOTAAAADO de gente de todo tipo, com som ligado, tomando cerveja e se conhecendo. Fizemos amizades com várias pessoas e com tanto homem bonito por metro quadrado, eu já ficava de xotinha melada. Acho até pecado tanto homem bonito num lugar só..hahahaah....
Como estávamos escoltadas por uma muralha de amigos homens, essa segurança fez com que nós, as três solteiras da situação nos permitíssemos azarar e ser azaradas por outros caras que conhecemos lá. 
Com o sumiço do Douglas no meio da multidão, eu já engatei papo com um cara grandão, com um par de braços grandes, uma boca carnuda que já veio se aproveitar do meu copo de vodka como desculpa..kkkkk!! E nem rolou mais de 15 minutos de conversa porque ele já se atracou comigo, num beijaço regado a Smirnoff.
Nem liguei. Meus amigos estavam na mesma pegada. E nessa altura do campeonato, eu queria é mais!!
Branquinho tesudaço, com uma tattoo enorme no braço todo, alto, cheio de má intenção, me abraçava bem forte, me pegando de jeito, roçando o pau em mim e apertando meus peitos no seu corpo...aff. Não sei se fomos discretos ou não, mas pra mim, foi uma putaria ali mesmo , em pleno sol do meio-dia! Não passou a mão em mim de forma depravada, mas foi bem gostoso!

Só que eu estava ali para curtir os meus amigos, a festa, a zoeira e ele ficou meio inconveniente quando não queria me largar de jeito nenhum e não parava de me beijar, nem me deixava respirar. Já estava com a boca doendo de tanto aperto. Nesse hora, comecei a agitar os braços para os meus amigos, ainda prensada por um beijo dele e um deles, o Anderson* (por acaso, irmão do Douglas) vendo a situação, veio em meu socorro e pediu para o cara dar um tempo e me deixar curtir. 
Mesmo assim, o cara de quem eu nem lembro a nome, ficou me rodeando, insistindo e eu levando uma conversinha mole com ele. Nessa hora, vejo o Anderson cochichando no ouvido do Douglas, que apareceu do nada e deu uma olhadinha pra mim e pro cara que tava conversando comigo e veio vindo, andando até nós. 
E claro, como todo baixinho, folgado que é, passou do lado do grandão, que devia ter uns 20 cms a mais de altura que ele, me pegou pela mão e foi me tirando dali, sem nem me perguntar nada..hahahaahaha! Quando já estava numa distância segura do outro, me deu um beijão na boca e disse no meu ouvido 'Hoje você está no meu nome!!'
Ah e como eu gosto de um homem abusado....!!! Me deu tesão na hora!
Daí por diante não me largou mais, evitando o grandão que ficou só de longe me olhando e os outros marmanjos, ratos de micaretas que ficam a caça de qualquer mulher para dar o bote...rs.
Ficamos encostados num carro, nos beijando. Aqueles beijos intensos, com muita saliva molhando e língua pra todo lado. Um dos amigos tirou até uma foto de um desses beijos e todos ficaram me zoando um tempão por causa dela..kkkkk!! 
A bebida me deixou bem solta...E aqueles beijos, junto com umas discretas passadas de mão que ele dava na minha bunda e nos meus peitos, estavam me deixando com o fogo aceso...e ele também!! Fiquei de costas para ele um certo momento, grudada no seu corpo e pude sentir o seu pau crescendo dentro da bermuda. Ele para me atiçar mais ainda, as vezes me dava umas lambidas na lateral do pescoço e eu ficava louca. Sentia aquela sensação melada dentro da calcinha aparecer aos poucos...
Como percebemos que a coisa estava esquentando, resolvemos dar uma voltinha...
Fomos para uma parte mais afastada do estacionamento, que era gigante, com o chão de terra batida e rodeado por uma floresta enoooorme!! Quem é de SP, mais especificamente do ABC, vai saber de qual local estou falando...rs.
Já que a galera costuma se aglomerar num ponto específico do estacionamento, por causa do som, nos afastamos do burburinho para ficar longe de olhares curiosos. Fomos bem para o final do estacionamento, bem perto de algumas árvores e ao chegarmos, ele não perdeu tempo e encheu a mão no meu peito, apertando com vontade, e me puxando praticamente por eles.
- Gostou do grandão foi ?? O Anderson me falou que você beijou ele...
Ia me perguntando e me pegando com força, agarrando na cintura, mordendo a minha orelha com vontade, sem nem ligar pra nada...

- Ficou com ele, foi ? Responde! - ia dizendo dentro da minha orelha.
Nessa hora, confesso que deu um medinho de responder, mas balancei a cabeça que sim. Ao ver que sim, ele sem cerimônia nenhuma, deu um tapão na minha bunda e ficou me segurando pela cintura, olhando na minha cara, fazendo bico de bravo.
Fiquei com vontade de rir da situação, mas o meu corpo parecia estar todo eletrizado, cheio de tesão, vendo aquele baixinho folgado me pegando parecendo um louco, com um ciuminho na cara, meio enraivecido até!! Kkkkkk...
Dei uma lambida na boca dele, meio rindo e já começamos a nos beijar violentamente de novo. No meio do fogo, ele foi subindo a minha saia e segurando a minha bunda com vontade, sem nem se importar com nada. Grudou as duas mãos no meu rabo e não queria de saber largar, enquanto mordia um dos meus lábios, sem falar nada.
Eu já estava melada pra cacete e com aquela coisa de estar ali, com a saia levantada, a calcinha atolada, praticamente a vista de quem quisesse ver, me deixava ensandecida.
Eu passava a mão por cima da bermuda dele e podia sentir o grosso calibre da rola do Douglas e aquilo me deixava ainda mais tesuda. Ele apertava o bico dos meus seios por cima da blusinha fina até que resolveu levantá-la, junto com o sutiã e abocanhou os meus peitos com muita fome. Eu meio bêbada, meio receosa, olhava para os lados para ver se havia alguém por perto, vendo aquela putaria. Nada.
Tudo tranquilo...o burburinho continuava bem longe de nós. E assim eu relaxei e o deixei mamar a vontade nos meus peitos...
Ele sugava de verdade, com força e eu pedia para ele morder os bicos, porque eu adoro isso. Ele obedecia, ia mordendo devagar e subindo pelo meu pescoço ..huuum, muito tesão. Me aproveitando de todo aquele sossego, eu resolvi abrir a sua bermuda, porque só de sentir o volume, eu estava doida de vontade de cair de boca na vara dele. Ele estava com uma dessas bermudas de surf, onde tem uma amarração na frente, que eu abri facilmente, abaixei a cueca e foi fácil libertar o caralho...
Um pau grosso, moreno, lustroso e uma cabeça grande....huuum. Devia ter uns 18 ou 19 cms e era de dar água na boca. Nem pensei duas vezes, me agachei e cai de boca naquela rola apetitosa. Dei uma cuspidinha nela pra ficar mais gostoso e comecei a mamar devagar, lambendo a pontinha, o buraquinho....Huuum. Fui aumentando a velocidade e as vezes, abocanhava só a cabeça e outras enfiava tudo na boca, enchendo até a garganta. 

E nessa de ficar agachada mamando o cara, de relance olhei para dentro do carro onde estávamos encostados e apesar de ter filme nos vidros, com o sol iluminando, pude perceber que tinha gente lá dentro!!
Pensei PQP!! Kkkkk....
Depois de fazer e acontecer ali do lado, agora que fui reparar que o carro não estava vazio. Não consegui ver claramente, mas percebi duas pessoas com os bancos reclinados. Talvez dormindo. Muito comum isso em micaretas!! A galera bebe, cansa e dorme fácil nos carros.
Mas já diz o ditado que quem tá na chuva é pra se molhar, então não quis nem saber!! Já que tinha mamado o pau do Douglas ali e com a possibilidade deles terem visto, decidi continuar. Não contei nada para o Douglas sobre, mas aquilo de talvez estar sendo observada levou meu êxtase as alturas! Mamei com mais vontade, babando feito uma vadia no cio...
Ele gemia muito, alto.
- Engole tudo, gostosa!!
E eu , como uma cachorra adestrada, engolia tudo, babando na blusa.
Douglas ia se entregando e eu via o seu cacete ficar cada vez mais duro, com as veias pulsando, do jeito que eu gosto. Apalpava suas bolas com dificuldade, já que bermuda e cueca ainda estavam por ali....ficar pelados completamente também era ousadia demais..kkkk. Sem contar que eu morro de tesão em trepar sem tirar a roupa toda.
Levantei e ele me encostou no carro e ficou me beijando com força.
- Eu já tô toda melada... - consegui dizer entre os dentes e ao ouvir isso, ele deu uma afastada na parte de trás da minha calcinha (a que estava pro lado do carro) e enfiou o dedo lá dentro da minha buceta, Enfiou o dedo todo de uma vez, mas como eu já estava super molhada, foi uma delícia.
- Huuuum, que gostoso...toda babada pra mim!
Eu arqueei uma das pernas em volta da coxa dele, para abrir mais a xota e ele poder brincar um pouquinho. Da forma que estávamos, quem visse ao longe, ia ver um casal abraçados se beijando. Mas de dentro do carro, a visão era bem outra..kkkkk! 
Ele começou um vai e vem com o dedo na minha xana que me fez começar a gemer bem gostoso, pedindo pra ele continuar...
Ele colocou outro dedo junto e ficou me bulinando gostoso...
Ai, que delícia...Eu ia me derramando e gemendo com vontade, já sentindo umas sensações de gozo.
A cabeça meio tonta por causa da bebida, aquele sol batendo no nosso corpo, eu ter visualizado os vultos dentro do carro e aqueles dedos socados na minha buça só me faziam ficar cada vez com mais vontade de meter, ali mesmo. 

Apesar de estar meio em transe, eu sempre dava uma olhada ao redor para ver se não havia a possibilidade de que os nossos amigos viessem ao nosso encontro. Desconhecidos, tudo bem, mas não ia pegar nada bem as minhas amigas, uma delas de infância, me ver naquela situação profana em plena luz do dia..kkkkkkk.
- Tu tem camisinha aí ? - perguntei morrendo de medo de que ele dissesse que não...kkkkk. 
- Tenho sim!- e foi tirando uma, que parecia estar na carteira há séculos, mas ia ter que servir!
Virei de costas pra ele, levantei a blusa, encostando os seios nus no vidro do carro e empinei a bunda para ele, que logo pôs a camisinha e já foi entrando...
Aquela pica grossa foi entrando com urgência em mim e eu me segurando para não gritar e ia gemendo baixo. Eu com os braços apoiados no teto carro, as pernas apoiadas nas coxas dele, feito malabarista, com ele me segurando por baixo e metendo gostoso..entrando rapidinho parecendo um coelho. Eu abaixava a cabeça entre os braços para evitar ser vista de longe e deixava ele meter tudo...
Tentava dar uma rebolada gostosa, mas a posição não era das mais favoráveis, então deixei ele se deliciar enquanto entrava e saia com força.
Nossos gemidos já eram mais altos quando ele me virou de frente, me pegou pelas pernas e as entrelaçou no seu corpo e continuou socando o pau na minha xota...
- Xaninha gostosa essa sua, morena!! Quero comer mais!
- Então mete forte, vai! Me chama de putinha!! - eu pedia.
- Huuum, putinha é ?? Goza então, minha putinha!
E ia entrando forte...o carro chacoalhava com vontade por causa da nossa foda e eu já achava praticamente impossível haver alguém só dormindo ali dentro. A menos que estivesse muito louco meeeesmo!! 
Que se foda...que vejam e batam punheta se for o caso, eu pensava. Isso até me excita!
Douglas continuou me comendo de um jeito ensandecido, tanto que numa tentativa de levantar a minha blusa que havia baixado, para mamar meus peitos, ele conseguiu rasgá-la inteirinha na frente, de cima a baixo, me deixando com os peitos de fora, saltados pra fora do sutiã...
Você acha que ele se importou ? Nem!! Continuou comendo a minha buceta e sugando tudo feito um louco. Metia e falava 'Toma, delícia'...eu estava toda arrepiada e já sentia os músculos se mexendo, retesando, enquanto a minha xaninha melada ia se derramando.

Olhava pra cima e via a o céu bem azul, ao fundo as árvores balançando num ventinho gostoso e a nossa foda me fazendo viajar naquele tesão todo. As mordidas que ele me dava no peito me enlouqueceram. Gozei sem a menor cerimônia,  gemendo e tremendo, sem nem me importar com quem quer que seja...poderia até aparecer a polícia ali dizendo que iria nos levar, que eu não ia nem ligar...Gozei e gozei gostoso, sentindo o suor descendo pelo corpo e a xana contraindo em volta do pau duro e pulsante do Douglas...

Ele continuava metendo e me agarrando pela bunda, apertando com as mãos e segurando a minha calcinha ao mesmo tempo, roçando a ponta dos dedos no meu cuzinho...Huuuum!
- Ai delícia, vou gozar!! - e deu uma metida profunda, bem forte, quase que arrancando a minha pele de tanto que me apertou na hora e soltando um grunhido alto, bem gostoso. Ficamos ali ainda parados por uns instantinhos, curtindo o orgasmo, até que caímos na real e tudo foi voltando para o seu lugar, nos lembrando onde estávamos, o que tínhamos feito e tudo mais...
Ainda encostada no carro, ajeitei a saia e a calcinha, tirei a blusa rasgada e Douglas tirou a dele e me deu para vestir, já que ele sem camisa tudo bem, mas eu de sutiã pela balada não ia rolar...hahahah!
Ele pegou na minha mão e fomos saindo como se nada tivesse acontecido e nos fazendo de desentendidos, quando a cara da galera nitidamente perguntava 'Porque ela está com a blusa dele??'..Kkkk....
O mais engraçado foi depois, antes ainda do show começar, quando Douglas veio todo cheio de cerimônia me dizendo:
- Gata, 'cê não vai acreditar! Tinham dois caras dentro daquele carro onde a gente se encostou. Fui lá fazer xixi e vi os dois saindo do carro.
- Sério ?? - perguntei toda afetada....
Kkkkkkk....

* Foram usados nomes fictícios.


CLIQUE NAS FOTOS PARA AMPLIAR!



MAIS FOTOS EM:



CONTATO: vennusmorena@gmail.com

Beijos safados!! :D